Lendo agora:
PLANO SAFRA
Matéria Completa 5 minutos em média para ler

PLANO SAFRA

Cooperativas do Sicoob Norte devem liberar mais de R$ 1 bilhão em créditos do Plano Safra para custeio e investimento nas propriedades rurais no período de 2019/2020.

As cooperativas do Sicoob Norte deverão liberar, nos próximos doze meses, mais de R$ 1 bilhão aos produtores rurais que aderirem ao Plano Safra 2019/2020. A expectativa se baseia nos números consolidados pelas seis cooperativas do Sicoob Norte que operam com essa carteira e que fecharam o último período com cerca de R$ 900 milhões em liberações. Os recursos do Plano Safra são destinados ao custeio agrícola e a investimentos nas propriedades rurais. A novidade este ano é a possibilidade de construção de casas aos produtores rurais por meio do Pronaf (Programa Nacional de Agricultura Familiar), que opera com juros mais baixos. Além disso, os pequenos e médios produtores também receberão um volume maior de recursos este ano. O Plano Safra 2019/2020 terá R$ 225 bilhões aos produtores em todo o Brasil. O Bancoob – que fechou R$ 15 bilhões em recursos do Plano Safra nos últimos doze meses – deverá liberar um valor ainda maior em negócios contratados para o agronegócio nacional, distribuídos entre as filiadas em todo o país, para o período que vai de julho de 2019 até junho de 2020. Segundo o gerente operacional do Sicoob Central Norte, Valdir Rothermel, seis cooperativas do Sicoob Norte estão aptas a operar com recursos do Plano Safra 2019/2020: Sicoob Credip, Sicoob Ourocredi, Sicoob Amazônia, Sicoob Credisul, Sicoob Portocredi e Sicoob Centro. Ao todo, as cooperativas do Sicoob Norte somam cerca de 120 agências, espalhadas por cinco estados: Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima e Mato Grosso. “Primeiro, o Sicoob recebe o recurso enviado pelo Banco Central por meio do Bancoob. Então, os recursos são distribuídos entre as cooperativas filiadas de acordo com as necessidades de cada região. Nesse novo período do Plano Safra, devido aos bons resultados das cooperativas do Sicoob Norte, temos a pretensão de receber mais de R$ 1 bilhão em recursos”, explica Valdir. Ele ainda ressalta que o plano ajuda a proteger o pequeno produtor, que pode ser prejudicado pelas altas taxas impostas em sistemas anteriores.

União
O consultor de agronegócio do Bancoob, Gustavo Soares, que atende o Sicoob Central Norte, ressalta a importância da união das cooperativas para resultados mais satisfatórios durante o período do Plano Safra. Ele salienta os bons resultados do período de 2018, especialmente no Estado de Rondônia. “Tivemos um crescimento de 38% no crédito rural no último Ano-Safra, além do saldo devedor próximo de R$ 1,1 bilhão para o produtor”, diz. Gustavo Soares explica que o saldo devedor são as liberações em crédito rural, ou seja, quanto o produtor tem tomado de crédito junto ao Sicoob. “O que move a economia no Estado de Rondônia está muito ligado à produção de carne, grãos e outros produtos da área. Estamos intimamente vinculados à produção agropecuária”, afirma. Por meio dos recursos do Plano Safra, o produtor rural pode solicitar os serviços de custeio de sua propriedade – como a reforma de cercas, dos currais e do pasto – e de investimentos para sua produção – como por exemplo a compra de tratores, de touros e matrizes e de material genético.

Tradição
Para Renato Doretto, diretor-executivo do Sicoob Portocredi-cooperativa que tem grande envolvimento no agronegócio, especialmente em Rondônia -, o Plano Safra traz grandes vantagens não só para os produtores de menor escala, mas também para a atuação da cooperativa na região. “Nós já temos uma tradição de 15 anos operando fortemente no agronegócio. Hoje, 50% de nossa linha de crédito é voltada ao produtor rural, tanto agricultor quanto pecuarista. Com o Plano Safra, nossa expectativa é de destaque ainda maior no setor”, afirma Renato. Hoje, a Sicoob Portocredi conta com uma carteira de mais de 100 milhões de crédito rural, recurso que pode ser solicitado por todas as 15 agências atuantes na região. Além disso, dos 6.000 cooperados da área do agronegócio, mais de 1.500 estão autorizados a operar ativamente com a Sicoob.

Casas Rurais
O Governo Federal liberou o financiamento da construção da casa própria no valor de até R$ 50 mil, desde que esteja localizada dentro da propriedade rural. As taxas são relativas à renda do produtor e de seu meio de atuação. Para os que se enquadram do PRONAF (Programa de Fortalecimento de Agricultura Familiar), os juros variam entre 3% e 4,6% ao ano. Aos pequenos agricultores que não estão inclusos no programa (renda abaixo de R$ 300 mil) e os de produção média (renda entre 300 mil a 1,8 milhão), as taxas são de 6% ao ano. Para o grande produtor rural (com renda acima de 1,8 milhão de renda), a taxa fica em 8% ao ano. A tendência do governo federal e do próprio mercado, a partir de agora, é de que o Pronaf seja voltado exclusivamente para o pequeno e o médio produtor rural, enquanto os grandes produtores terão de buscar recursos diretamente no mercado financeiro.

Comentários Facebook
Digite o que deseja procurar e pressione Enter